terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Metade
Oswaldo Montenegro

Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que eu penso mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste, e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é platéia
E a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

11 comentários:


  1. Simplesmente... beleza.

    Obrigado pr compartilhar esta pensamento...

    Bjs

    Jacques.

    ResponderExcluir
  2. Belo poema
    é também uma canção?
    Onde estás?
    É lindo esse lugar.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. O Oswaldo Montenegro que me perdoe. Para mim é assim:

    Já não tenho medo de nada

    Nada há já por que anseio



    Morreu quase tudo o que acreditei

    Mas não me tapem os ouvidos e a boca

    Porque continuo cá

    Nada silencioso



    Música triste ao longe não dá

    Como não dá a que sinto aqui perto

    Amor ausente também não

    Saudade não compensa desejo



    Não falo já, nem em prece nem com fervor

    Não preciso de respeito

    Pouco sinto o que ouço

    Só sinto tudo o que calo



    Mas não tenho vontade de me ir embora

    Quero calma e paz, não sei se mereço, porém

    Não há recompensa para a tensão que me corrói

    Tudo é um vulcão sem nada que o apague



    Mas não há solidão, dou-me bem comigo



    Com o que fui na infância, quando sorria

    Mais tarde, quando chorei ou sofri

    Sei bem o que fui

    Aceito, melhor não ser diferente



    Mas não, não há silêncios que me dêem alegria

    Não sou abrigo nem me canso á espera disso



    Curioso pensar que há duas metades para o amor

    Qual é a minha?

    Onde está a outra?

    A.Marques Lopes.

    ResponderExcluir
  4. Passei por aqui, por este teu cantinho, e vejo novidades! lindas postagens no teu blog.
    Parabéns pela constante actualização - lindo poema.
    Um Santo e feliz Natal.
    Um abraço cá do Algarve.
    http://umraiodeluzefezseluz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Bela a tua escolha deste Poema de Osvaldo Montenegro. Nem sempre "cria" a harmonia e ou o entendimento de quem o lê.
    Parabéns, Amiga.


    Beijos
    Santos Oliveira

    ResponderExcluir
  6. O tempo é tudo que temos, aqui reparo que esse tempo já foi. Faço votos para que desfrute do outro tempo que divide na vida.
    Bj

    ResponderExcluir
  7. Para te dar aqui um impulso só preciso dizer-te para publicares aqui algumas fotos das tuas férias, deves ter mais que um motivo já que adoras este País.
    Aguardo pelo teu regresso com mais tópicos.
    Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada ,preciso mesmo ressucitar meu blog...bjs.

      Excluir
  8. Navegando por entre atalhos, cheguei aqui ao seu blog, para lhe dizer que adorei esta sua publicação.
    Um abraço cá do Algarve
    http://umraiodeluzefezseluz.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada sempre meu amigo Tomanel.Teu Blog e sempre muito lindo.

      Excluir

Agradeço a todos pelos comentários sejam sempre bem vindos ao meu Blog....